11/07/2018

Gentle Giant - Acquiring the Taste





MárioZ
16.12.2002 121240

Sons do fds:


Gentle Giant: “Acquiring The Taste”

Fernando Magalhães
16.12.2002 130142

Só por curiosidade: O que é que achaste deste disco?

Para mim é uma das obras-primas dos anos 70, um 10/10 de caras. A quantidade de ambientes (ou será melhor dizer de "micro universos"?) criados em cada faixa é algo de espantoso.

Depois é o prazer de ouvir aqueles tipos a tocarem cerca de 30 ou 40 instrumentos diferentes, sem qualquer espécie de exibicionismo, como se cada tema justificasse exatamente os meios instrumentais utilizados.

"The moon is down" e "Edge of twilight" são puro encantamento astral, música de um requinte inultrapassável, "nocturnos" pop (?), tão evocativos como a música de Debussy ou Chopin, num contexto electrónico/experimental/poético.

Entusiasmei-me em demasia?

FM

PS-Reparaste que o "Incantations" tem como convidados o PIERRE MOERLEN (no vibrafone, elemento da formação tardia e mais jazzrockeira dos GONG) e a MADDY PRIOR?

Por falar em GONG, tenta dar uma escutada ao "Radio Gnome Invisible, pt.2: Angels' Egg". Acho que vais ficar "apanhado"!

Melhores de 2002 (até agora...)



Fernando Magalhães
21.11.2002 190750

Por ordem alfabética:

AMON TOBIN: Out from out Where
BIOSPHERE - Shenzhou
CARLOS BARRETTO TRIO - Radio Song
CHUCK E. WEISS - Old Souls & Wolf Tickets
GIANLUIGI TROVESI - Dedalo
PASCAL COMELADE - Psicòtic Music’Hall
PETER HAMMILL: Clutch
ROSCOE MITCHELL & THE NOTE FACTORY - Song for my Sister
SPRING HEEL JACK - Amassed
STEPHAN MICUS - Towards the Wind
Vários - A New Guide to Sound Sculpture and Invented Instruments
Vários - Spike, Works from BEAST, Vol.1
WAYNE SHORTER - Footprints Live!

De 2001, ouvidos em 2002

DAVE DOUGLAS - Witness
DAVE HOLLAND - Not for Nothin’
JAMES EMERY, JOE LOVANO, JUDI SILVANO, DREW GRESS - Fourth World
KRISTIN HERSH - Sunny Border Blue
LOUIS SCLAVIS - L’Affrontement des Prétendants
MYRA MELFORD & MARTY EHRLICH - Yet Can Spring
PRESENT - High Infidelity
STEUART LIEBIG - Pomegranate

Os 2 melhores já estão escolhidos. 1º lugar para os SPRING HEEL JACK, 2º para o GIANLUIGI TROVESI.

É provável que acabem por também entrar na lista a MARY TIMONY e o FENNESZ.

Continuo sem ouvir o "St.Arkansas", dos PERE UBU, um potencial candidato aos lugares cimeiros...
o_O

FM

Bruno B.
21.11.2002 200818

A New Guide to Sound Sculpture and Invented Instruments


Queres-me falar melhor deste disco? É tipo aquele triplo "The Early Gurus of Electronic Music"? Quem distribui?


Fernando Magalhães
22.11.2002 160432

É do mesmo tipo, sim, embora seja um CD simples, nada de tão extensivo como o "Ohm".
A música varia bastante e soa quase sempre "alien" - eletrónica, sons concretos, sonoridades exóticas misturam-se num novelo por vezes de extraordinária beleza e densidade. Atenção: é eletrónica que soa mais a "erudita" do que a "popular" (interpreta isto como quiseres, LOOL, Fennesz, por ex., apesar de muito bom, é "popular"...). Dos vários nomes presentes, conhecia apenas o DAVID TOOP (mas o que ele faz aqui é diferente do que se podia ouvir no disco que gravou há muitos anos para a ed. Obscure, do B. Eno, "New and Rediscovered Musical Instruments", de parceria com o MAX EASTLEY).

A outra coletânea, do estúdio "B.E.A.S.T." é eletrónica de outro tipo: Mais acessível mas repleta de achados tímbricos e de originalidade. Mais "expressionista" e menos "abstrata", se quiseres.

NOTA: Por falar em eletrónica: cada vez gosto mais de "Void in", do russo ANDREI SAMSONOV (ed. Mute). Aqui é difícil distinguir o erudito do popular, o analógico do digital...

FM


Alguns bons álbuns dos anos 70



Fernando Magalhães
18.11.2002 180635

Er...perdoem-me se a lista estiver incompleta.

AGITATION FREE - 2nd (1973)
AKSAK MABOUL - Un Peu de l'Ame des Bandits (1979)
AMON DUUL II - Yeti (1970)
AMON DUUL II - Wolf City (1972)
ANNETTE PEACOCK - X-Dreams (1978)
ANTHONY MOORE - Flying doesn't Help (1979)
ARCHIE SHEPP - Things have got to Change (1971)
AREA - Arbeit Macht Frei (1973)
AREA - Caution Radiation Area (1974)
ART BEARS - Hopes and Fears (1978)
ARTI & MESTIERI- Tilt (1974)
ASHRA - New Age of Earth (1976)
BEACH BOYS (THE) - Sunflower (1970)
BEACH BOYS (THE) - Surf’s up (1971)
BRIAN ENO - Taking Tiger Mountain (by Strategy) (1974)
BRIAN ENO - Another Green World (1975)
BRIAN ENO - Before and After Science (1977)
CAN - Tago Mago (1971)
CAN - Ege Bamyasi (1972)
CAN - Future Days (1973)
CAN - Soon over Babaluma (1974)
CAN - Unlimited Edition (1976)
CAPTAIN BEEFHEART & HIS MAGIC BAND - Shiny Beast (Bat Chain Puller) (1979)
CARAVAN - If I Could do it all over Again, I'd do it all over you (1970)
CARAVAN - In the Land of Grey and Pink (1971)
CARLA BLEY - Tropic Appetites (1974)
CARLA BLEY - Musique Mecanique (1979)
CELESTE - Principe di un Giorno (1976)
CHRIS McGREGORíS BROTHERHOOD OF BREATH - Chris McGregorís Brotherhood of Breath (1971)
CLUSTER - Cluster II (1972)
CLUSTER - Zuckerzeit (1974)
CLUSTER & ENO - Cluster & Eno (1977)
CODE III - Planet of Man (1974)
CONRAD SCHNITZLER - Rot (1973)
CONRAD SCHNITZLER - Blau (1973)
CURVED AIR - Phantasmagoria (1972)
DAVE HOLLAND - Conference of the Birds (1973)
DAVID BOWIE - The Man who Sold the World (1970)
DAVID BOWIE - Hunky Dory (1971)
DAVID BOWIE - The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders...(1972)
DAVID BOWIE - Diamond Dogs (1974)
DAVID BOWIE - Low (1977)
DAVID BOWIE - Heroes (1977)
DEUTER - D (1971)
DEVO - Q: Are we not Men? A: We are Devo! (1978)
DEVO - Duty now for the Future (1979)
DEWEY REDMAN - The Ear of the Behearer (1973)
DUKE ELLINGTON - The Afro-Eurasian Eclipse (1975)
DZYAN - Electric Silence (1974)
EAST OF EDEN - Snafu (1970)
EGG - The Polite Force (1970)
FAUST - Faust (1971)
FAUST - So Far (1972) - Jul.76, Out.92 - 40.42
FAUST - The Faust Tapes (1973)
FAUST - Faust IV (1973)
FRANK ZAPPA - Waka/Jawaka (1972)
FRANK ZAPPA - The Grand Wazoo (1972)
FRIPP & ENO - Evening Star (1975)
GENESIS - Nursery Cryme (1971)
GENESIS- Foxtrot (Toshiba-EMI, 1972)
GENESIS - Selling England by the Pound (1973)
GENESIS - The Lamb Lies down on Broadway 2xCD (1974)
GENTLE GIANT - Gentle Giant (1970)
GENTLE GIANT - Acquiring the Taste (1971)
GENTLE GIANT - Three Friends (1972)
GENTLE GIANT - Octopus (1972)
GENTLE GIANT - In a Glass House (1973)
GILGAMESH - Gilgamesh (1975)
GONG - Radio Gnome Invisible, Part 1: The Flying Teapot (1973)
GONG - Radio Gnome Invisible, Part 2: Angel's Egg (1973)
GONG - You (Virgin 1974)
GRYPHON - Midnight Mushrumps (1974)
GRYPHON - Red Queen to Gryphon Three (1974)
GURU GURU - Kanguru (1972)
HARMONIA - Musik von Harmonia (1974)
HARMONIA - DeLuxe (1975)
HATFIELD AND THE NORTH - Hatfield and the North (1973)
HATFIELD AND THE NORTH - The Rotter’s Club (1974)
HELDON - It’s Always Rock ‘n’ Roll, Volume 1 (1975)
HELDON- Un Rêve sans Conséquence Spéciale (1976)
HENRY COW - The Henry Cow Leg End (1973)
HENRY COW SLAPP HAPPY - In Praise of Learning (1975)
HENRY COW - Western Culture (1979)
HERBIE HANCOCK - Sextant (1973)
HERBIE HANCOCK - Head Hunters (1973)
HOLGER CZUKAY - Movies (1979)
HOWARD RILEY - The Day will Come (1970)
HUGH HOPPER - 1984 (1972)
HUGH HOPPER, ELTON DEAN, KEITH TIPPETT, JOE GALLIVAN - Cruel but Fair (1976)
HUMAN LEAGUE (THE) - Reproduction (1979)
INCREDIBLE STRING BAND - Be Glad for the Song Has no Ending (1970)
INCREDIBLE STRING BAND- Liquid Acrobat as Regards the Air (1971)
JETHRO TULL - Aqualung (1971)
JETHRO TULL - Thick as a Brick (1972)
JETHRO TULL - A Passion Play (1973)
JOHN & BEVERLEY MARTYN - Stormbringer (1970)
JOHN CALE - Fear (1974)
JOHN MARTYN - Inside out (1973)
JOHN SURMAN - Tales of the Algonquin (1971)
JOHN SURMAN - Westering Home (1972)
JOHN TAYLOR - Pause, and Think Again (1971)
JONI MITCHELL - The Hissing of Summer Lawns (1975)
JONI MITCHELL - Mingus (1979)
KEITH JARRETT - Expectations 2xCD (1972)
KEVIN AYERS - Shooting at the Moon (1971)
KEVIN AYERS - The Confessions of Dr. Dream (1974)
KING CRIMSON - In the Wake of Poseidon (1970)
KING CRIMSON - Lizard (1970)
KING CRIMSON - Larks' Tongues in Aspic (1973)
KING CRIMSON - Red (1974)
KINKS (THE) - The Kinks, Pt 1:Lola vs. Powerman and the Moneygoround (1970)
KLAUS SCHULZE - Irrlicht (1972)
KLAUS SCHULZE - Timewind (1975)
KLAUS SCHULZE - Mirage (1977)
KLAUS SCHULZE - X 2xCD (1978)
KRAAN - Wintrup (1973)
KRAFTWERK - Kraftwerk (1970)
KRAFTWERK - Ralf & Florian (1973)
KRAFTWERK - Autobahn (1974)
KRAFTWERK - Trans Europe Express (1977)
KRAFTWERK - The Man Machine (1978)
LARD FREE - Lard Free (1972)
LOU REED - Transformer (1972)
LOU REED - Berlin (1973)
MAGMA - Magma 2xCD (1970)
MAGMA - 1001º Centigrades (1971)
MAGMA - Mekanik Destruktiw Kommandoh (1973)
MAGMA - Kohntarkosz (1974)
MAGMA - Udu Wudu (1976)
MAGNA CARTA - Seasons (1970)
MAHAVISHNU ORCHESTRA - The Inner Mounting Flame (1972)
MAHAVISHNU ORCHESTRA - Birds of Fire (1973)
MANFRED MANN CHAPTER THREE - Volume Two (1970)
MATCHING MOLE - Matching Mole (1972)
MATCHING MOLE - Matching Mole's Little Red Record (1972)
MAX ROACH - M’Boom (1979)
McCOY TYNER - Extensions (1970)
McCOY TYNER - Sahara (1972)
McCOY TYNER - Atlantis (1975)
MICHAEL GIBBS - Michael Gibbs (1970)
MICHAEL GIBBS - The only Chrome-Waterfall Orchestra (1975)
MICHAEL ROTHER - Flammende Herzen (1977)
MIKE WESTBROOK CONCERT BAND (THE) - Metropolis (1971)
MILES DAVIS - Bitches Brew (1970)
MOVING GELATINE PLATES - The World of Genius Hans (1971)
MUFFINS (THE) - Chronometers (1976)
MUTANTES - A Divina Comédia ou Ando Meio Desligado (1970)
NATIONAL HEALTH - Of Queues and Cures (1978)
NEIL ARDLEY - Kaleidoscope of Rainbows (1976)
NEIL YOUNG - After the Gold Rush (1970)
NEU! - Neu! (1972)
NEU! - Neu! 2 (1973)
NEU! - Neu!’75 (1975)
NICK DRAKE - Five Leaves Left (1970)
NICK DRAKE - Bryter Layter (1970)
NICO - Desertshore (1971)
NICO - The End... (1974)
NUCLEUS - Elastic Rock (1970)
NUCLEUS - We'll Talk About it Later (1971)
PEKKA POHJOLA - Pihksilmi Kaarnakorva (1972)
PEKKA POHJOLA - Harakka Biailopokku (1974)
PENGUIN CAFE ORCHESTRA - Music from the Penguin Café (1976)
PERE UBU - The Modern Dance (1978)
PERE UBU - Dub Housing (1978)
PERE UBU - New Picnic Time (1979)
PETER HAMMILL - Chameleon in the Shadow of the Night (1973)
PETER HAMMILL - The Silent Corner and the Empty Stage (1974)
PETER HAMMILL - In Camera (1974)
PETER HAMMILL - Over (1977)
PETER HAMMILL - The Future now (1978)
PETER HAMMILL - PH 7 (1979)
PHIL MANZANERA - Diamond Head (1975)
PICCHIO DAL POZZO - Picchio Dal Pozzo (1976)
PINK FLOYD - Atom Heart Mother (1970)
PINK FLOYD - Meddle (1971)
POPOL VUH - Affenstunde (1971)
PREMIATA FORNERIA MARCONI - Per un Amico (1972)
PYROLATOR - Inland (1979)
RAHSAAN ROLAND KIRK - Blacknuss (1971)
RANDY WESTON - Tanjah (1973)
RESIDENTS (THE) - The Third Reich 'n' Roll (1976)
RESIDENTS (THE) - Not Available (1978)
RESIDENTS (THE) - Eskimo (1979)
RICHARD PINHAS - Iceland (1979)
RICHARD AND LINDA THOMPSON- I Want to See the Bright Lights Tonight (1974)
ROBERT WYATT - The End of an Ear (1971) -
ROBERT WYATT - Rock Bottom (1974)
ROXY MUSIC - Roxy Music (1972)
ROXY MUSIC - For your Pleasure (1973)
ROXY MUSIC - Stranded (1973) - Jan.79, Jan.92, Out.99, Mai.00 - 41.12 R ROXY MUSIC - Siren (1975)
ROY HARPER - Bullinamingvase (1977)
SAMLA MAMMAS MANNA - Klossa Knapitat (1974)
SAMLA MAMMAS MANNA - Schlagerns Mystik 2xCD (Silence, 1978)
SECOND HAND - Death May be your Santa Claus (1971)
SLAPP HAPPY/HENRY COW - Desperate Straights (1975)
SOFT MACHINE (THE) - Third (1970)
SOFT MACHINE (THE)- Fourth (1971)
SOFT MACHINE (THE) - Fifth (1972)
SOFT MACHINE (THE) - Seven (1973)
SPIRIT - Twelve Dreams of Dr. Sardonicus (1970)
SPIRIT - Future Games (Great Expectations, 1977)
STACKRIDGE - (Have no Fear, I only Need your) Friendliness (1972)
STAN GETZ - Dynasty 2xCD (1971)
STEVE HILLAGE - Fish Rising (1975)
STEVE REICH - Music for 18 Musicians (1978) -
STOOGES (THE) - Fun House (1970)
SUICIDE - Suicide (1977)
SUPERSISTER - Present from Nancy (1970)
SUPERSISTER - To the Highest Bidder (1971)
T.2 - It'll all Work out in Boomland (1970)
TALKING HEADS - Fear of Music (1979)
TANGERINE DREAM - Zeit (1972)
TANGERINE DREAM - Atem (1973)
TANGERINE DREAM - Phaedra (1974)
TANGERINE DREAM - Rubycon (1975)
TASAVALLAN PRESIDENTTI - Milky Way Moses (1974)
TERJE RYPDAL - After the Rain (1976)
TERRY RILEY - A Rainbow in Curved Air (1971)
TODD RUNDGREN - A Wizard, a True Star (1973)
TOM WAITS - Small Change (1976)
TRAFFIC - John Barleycorn must Die (1970)
URBAN SAX - Urban Sax (1977)
URBAN SAX - Urban Sax 2 (1978)
VAN DER GRAAF GENERATOR - H to He who am the only one (1970)
VAN DER GRAAF GENERATOR - Pawn Hearts (1971)
VAN DER GRAAF GENERATOR - Godbluff (1975)
VAN DER GRAAF GENERATOR - Still Life (1976)
WALLENSTEIN - Blitzkrieg (1972)
WALLENSTEIN - Cosmic Century (1973)
WALTER WEGMULLER - Tarot 2xCD (1973)
WEATHER REPORT - I Sing the Body Electric (1972)
WIGWAM - Fairyport (1971)
WIGWAM - Being (1973)
XHOL CARAVAN - Electrip (1971)
YES - The Yes Album (1971)
YES - Close to the Edge (1972)
YES - Tales from Topographic Oceans 2xCD (1973)
YES - Relayer (1974)
ZAO - Shekina (1975)
ZNR - Barricade 3 (1977)

FM

Fernando Magalhães
22.11.2002 160415

SE JÁ OUVI GENTLE GIANT???? :O

Os GENTLE GIANT, meu caro senhor, são uma das maiores bandas (não só de Peogressivo) dos anos 70 e conheço a sua música desde o início ("Gentle Giant", de 1970, foi dos primeiros álbuns que comprei)!!! : ) : ) : )

Podia escrever um livro sobre a sua música.

Mas agora lembrei-me: Estamos a falar dos GG da 1ª fase, ou dos GG de "The Mssing Piece" e "Giant for a Day", caricaturas rock (e hard rock) dos feitos do passado?

É que gosto tanto dos primeiros como lamento as "cedências" e "desistência" dos segundos!

Eis, na minha opinião, o que vale mesmo a pena:

"Gentle Giant" (9/10)
"Acquiring the Taste" (10/10)
"Three Friends" (9,5/10)
"Octopus" (9/10)
"In a Glass House" (9/10)
"The Power and the Glory" (8/10)
"Free Hand" (8/10)
"Interview" (8/10)

FM

Fennesz Field Recordings



Fernando Magalhães
13.11.2002 140226

O novo de Christian FENNESZ, "Field Recordings, 1995 - 2002" constitui, desde já, um dos momentos de boa eletrónica deste ano. Ao contrário do que o título sugere, não se trata de qualquer coleção de "gravações de campo" destinadas a posterior tratamento de estúdio, mas de um álbum completo, embora os temas (não sei se todos) tenham sido editados anteriormente em formato vinílico (num 12'').

É um álbum mais na linha do disco das "coordenadas" do que de "Endless Summer". Abstrato, sombrio, ambiental, experimental, por vezes planante, não tem aquele lado "feito para agradar" que me irrita um bocado no disco anterior.

FM

Hammill - um manifesto [Mário Z.]



MárioZ
08.11.2002 160455

Deparei com um texto-manifesto do Peter Hammill algures na net e decidi postá-lo aqui. Acho que exprime com felicidade a essência do que é o seu trabalho. Originalmente o texto - manuscrito - foi publicado como introdução a uma compilação qualquer, creio que ainda nos anos 70.


Vision


The aspects of vision are many,
and in addition there are reflections, illusions and hallucinations.
If some can be shared that makes us less alone.
If the dark can be faced, that makes us less afraid.
If we accept sight, that makes us more visible.

I feel the city caging me like an animal;
I am crushed by the weight of the system,
but I can still raise a - human- shout against it.
I feel the tension of doubt surge in me,
the release of eye-on-eye love,
the loss of childhood idols and aspirations;

I clutch the transitory prizes of knowledge and unspoken faith.
I feel the torch in my hand,
The spark in my heart,
and I must carry both as long as I can.
We all have our torches;
but lone flame-bearers do not make a procession of humanity.

It has been, and remains, my hope that through songs
vision can be shared and enhanced.
As for me, disappearing like the Cheshire Cat
with hardly even my smile intact,
I can still look at you only through the camera.
There is more urgent vision than that.
Listen to yourself.



Saudações

Mário

__________________
If I gave you just a little song
would that be enough
to save your life
or is the knife already turning in my hand?

Fernando Magalhães
08.11.2002 170526

Caro Mário

Está aqui tudo, de facto, senão relativamente aos "conteúdos" (esses que o tempo e a experiência vão moldando e transformando), pelo menos em relação às intenções e orientação geral da obra de PH.

O texto é, nesse aspeto, luminoso.

O problema com que já te deves ter deparado (o mesmo com que eu me deparei e deparo, de resto...) tem a ver com um "problema" com que todos os fãs de Hammill se debatem: por um lado a vontade imensa de partilhar esta luz imensa que jorra da obra musical e poética do autor em questão, por outro, e isto pode ser frustrante, a noção de que é impossível conseguir esta partilha com quem ainda não INTERIORIZOU todo o universo hammilliano que, em última análise, sendo de uma UNIVERSALIDADE quase heroica, começa por ser uma EXPERIÊNCIA PESSOAL INTENSÍSSIMA, de COMUNICAÇÃO com as palavras e a música.

Como tu bem disseste aqui há dias, a música e os poemas de PH revelam-se no contacto direto (interior), na sensação de identificação que se estabelece entre ele, autor, e cada um de nós, recetor/ouvinte/leitor.

Só se gosta verdadeiramente da obra de PH e dos VDGG quando chegamos aquele ponto em que achamos que esta música e estas palavras nos pertencem, nos transmitem qualquer coisa de vital, como se fossem um espelho da nossa própria humanidade.

É impossível apreciá-los de FORA, como também decerto já te apercebeste. Podemos achar a música interessante, original, forte, etc etc etc, mas o clique apenas acontece quando tem lugar o tal sentimento de identificação.

Hammill atinge o inconsciente (Jung chamou-lhe o ULTRA-consciente...). O milagre está em que a sua voz, a sua poesia e o seu génio enquanto compositor (e, já agora, pianista, guitarrista...), constituem as ferramentas ideais para a transmissão dessa tal VISÃO enunciada no texto que transcreveste.

De resto, tudo o que acabei de escrever, está bem explícito nesse manifesto - o desejo de partilha, mas também a distância, a solidão e o isolamento...

Penso que, por esta altura, já compreendes os motivos que me levam a considerar o Peter Hammill o maior músico/compositor da música popular dos tempos atuais (numa edição da Mojo comparavam-no, em importância, ao F. Zappa e a...Picasso!!!).

Tudo o mais é segredo. Sagrado. Ou...

"the least we can do is wave to each other"

saudações hammillianas

FM

Fernando Magalhães
08.11.2002 170531

Faltou acrescentar que esta identificação/comunicação a que me refiro é de uma natureza algo diferente, e mais profunda, do que aquela que em geral se estabelece com a obra da maioria dos músicos (por melhores que sejam) pop.

Ela funciona ao nível do mito, dos arquétipos psíquicos do homem, daí a "pancada" que sentimos no embate (no bom sentido) com os sons e as palavras de Hammill.

"A Plague of lighthouse keepers" (e, numa outra perspetiva, a sequência "Gog/Magog", de "In Camera") leva-nos a subir até à mais alta das montanhas, à mais alta das solidões ("The tower", repara...). Nietzsche, de resto, também esteve lá.

FM

Fernando Magalhães
08.11.2002 180626

Passando do PH para os MAGMA, estou curioso em saber a tua reação. O CHRISTIAN VANDER é outra figura (e esta assumidamente Nietzschiana...), mas no sentido da magia negra (pela qual, diga-se de passagem, o PH também se interessou nos primeiros anos de carreira, parece que os outros músicos dos VDGG andavam um bocado assustados, como já li algures...). A música dos MAGMA (que o PH ouvia e apreciava) é totalitária e assustadora, mas num sentido diferente da do PH. Imagina se Wagner fizesse parte de um grupo rock...

Depois há a língua inventada por ele, os concertos de oito horas, os solos arrasadores de bateria, a vertente Coltraniana...

Já ouviste alguma coisa?

FM

Novos P. Hammill e Thomas Brinkmann



Fernando Magalhães
07.11.2002 140236

Desiludiram-me ambos.

"Clutch", de Peter Hammill, o tal álbum de guitarra acústica (mas não só...), não adianta nada e relação à anterior discografia. Se as letras evidenciam a qualidade de sempre (aqui mais personalizadas e pessoais do que nunca, uma das faixas, tocante, fala da relação com uma das suas filhas), sobre o avanço inexorável da idade e a sensação de perda, a música achei-a pobre, sem ideias originais, mero PH vintage.

Já "Row", o "novo" (trata-se de material antigo antes editado em vinilo, como acontecia com um CD anterior, "Rosa") de Thomas Brinkmann, é música a metro. Beats e mais beats (ou melhor, sempre o mesmo beat...) arrastando-se por faixas de 6 e 7 minutos, com as velhas fórmulas de sempre. pela primeira vez em relação a um disco deste alemão, fiquei com a sensação de que a simplicidade que sempre elogiei em discos anteriores, é aqui sinónimo de pobreza de ideias.
Vou ouvir de novo, mas a primeira impressão não é nada animadora...

FM

Videoclip de tema de Kubik



Fernando Magalhães
07.10.2002 160414

Ontem, por acaso, vi na SIC Radical o clip de um tema do nosso caro amigo e forense Victor Afonsik, aka, Victor Afonso, Aka Kubik :), intitulado, se não estou em erro, "Proko", ou algo do género.

O tema é muito bom, mas a sua tradução para formato visual, chega a ser brilhante. Não poderia ser mais simples nem mais eficaz. Não vou revelar, só posso dizer que é um pequeno filme de animação que resolve da melhor maneira a constante mudança de registo da música (aquela parte final, com a entrada do sax, é realmente fantástica!, enquanto na sequência "back to basics" do ritmo, na introdução, julgo descortinar a influência, subliminar, de Soul Center, mas posso estar errado...).

De quem foi a ideia do clip?

De qualquer forma, Victor, os meus parabéns.

FM